Home / Destaque / Após alta do diesel, líder diz que caminhoneiros podem fazer nova greve em 10 dias

Após alta do diesel, líder diz que caminhoneiros podem fazer nova greve em 10 dias

Fonte: Bem Paraná

O aumento do preço do óleo diesel, anunciado nessa quarta-feira (17) pela Petrobras, não agradou aos caminhoneiros. Segundo um líder da categoria, Wanderlei Alves, os motoristas estão se articulando para fazer uma nova greve, como a de 2018. E isso pode acontecer em 10 dias.

“Infelizmente o governo pagou para ver”, disse ele, em um vídeo divulgado na noite dessa quarta (17), sobre o aumento anunciado pela Petrobras. Alves, que é de Curitiba, foi uma das lideranças da paralisação do caminhoneiros ocorrida em maio de 2018.

Na terça-feira (16), em troca de mensagens com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, Alves disse que as reivindicações da categoria não estão sendo atendidas a contento e afirmou que uma nova greve de caminhoneiros poderia ocorrer em caso de reajuste do preço do diesel. “Se subir o óleo diesel, ministro, nós vamos parar e ponto final”, disse. Nessa quarta, a Petrobras anunciou um aumento de R$ 0,10 no preço do litro na refinaria. Segundo a estatal, na bomba o valor poderia ser menor, de R$ 0,06.

“Eu quero que entendam o impacto. Essa viagem em que estou agora gasta mil litros de diesel. Faço nove viagens dessas por mês, são 9 mil litros. É só calcular 9 mil vezes 10 centavos. E o frete não aumenta”, explicou ele, no vídeo – pela conta de Alves, o aumento de R$ 0,10 daria R$ 900 a mais de despesa nessa viagem. “No dia 5 de janeiro, sobrava R$ 2.500 numa viagem dessas. Hoje sobra de R$ 1.700 a R$ 1.800, por causa dos aumentos anteriores. Mais 10 centavos, isso vai colocar direto no fundo do poço”.

Segundo Alves, o governo tem escutado as lideranças erradas dentre os caminhoneiros. “Decidimos que vamos parar, só estamos articulando a data, mas acredito que em 10 dias estaremos parados, até que o governo procure entender qual é a real situação do caminhoneiro”, afirmou. “Que procure abrir as portas para as lideranças certas, aquelas que pararam o Brasil no ano passado”.

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.