Home / Destaque / Cresce número de denúncias de agressões e ameaças por motivação política. No Paraná foram 10 em menos de um mês

Cresce número de denúncias de agressões e ameaças por motivação política. No Paraná foram 10 em menos de um mês

Foto: Reprodução – Fonte: Bem Paraná

Os casos de violência relacionada às eleições se multiplicam por todo o país. Segundo levantamento feito pelo Bem Paraná com base nas denúncias recebidas pelo Mapa da Violência Eleitoral e em notícias divulgadas nas últimas semanas pela imprensa, já são 104 casos de agressões de todo o tipo (verbal, física e sexual) no Brasil, sendo que 10 dessas ocorrências foram registradas no Paraná.

A grande maioria dos casos (84,6% ou 88 casos) são de eleitores de Jair Bolsonaro ou então de antipetistas agredindo eleitores de esquerda e, principalmente, homossexuais. Além disso, há seis registros de agressões contra eleitores do candidato do PSL (5,8%). Em outras 10 ocorrências o posicionamento ideológico e eleitoral dos agressores não fica claro, mas sete desses casos foram perpetrados contra homossexuais.

Os números consideram as ocorrências registradas desde o dia 1º de outubro, semana que antecedeu o primeiro turno do pleito e também a data em que entrou no ar o Mapa da Violência Eleitoral. Ou seja, considerando apenas os casos em que as vítimas resolveram denunciar as agressões, teríamos uma média de aproximadamente sete registros por dia no país.

Com relação ao sexo das vítimas, 58,7% (ou 61 das vítimas) são mulheres, 40,4% (ou 42) são homens e houve ainda um relato, no Paraná, de uma mulher trans. Quando analisada a orientação sexual, o público LGBT aparecem como principal alvo das agressões (56,7%, sendo 17 ocorrências contra bissexuais, 27 contra gays e 15 contra lésbicas). Os héteros somam 43,3% das vítimas (45 casos de violência, sendo 31 deles contra mulheres).

“Ele não” – Todas as 10 denúncias e ocorrências registradas no Paraná são de eleitores de Bolsonaro agredindo homossexuais, eleitores do PT ou então pessoas com adesivos ou camisas com a hashtag #EleNão, campanha nacional criada por mulheres que se opõe à candidatura de extrema-direita – que lidera com folga nas pesquisas eleitores, com 59% dos votos válidos. No 1º turno, o candidato do PSL somou 56,9% dos votos no estado – em Curitiba, chegou a 62%.

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.